×
[Vídeo] Mulheres na liderança: bate-papo sobre inovação e tecnologia com Luiza Helena Trajano:
Introdução
Inscreva-se
Cresça com Alana

[Vídeo] Mulheres na liderança: bate-papo sobre inovação e tecnologia com Luiza Helena Trajano

Criar um negócio digital e expandi-lo não é uma tarefa simples. É necessário investir tempo e dinheiro em tecnologia, inovação e liderança. A embaixadora da…

Tempo de leitura: 8 min

Criar um negócio digital e expandi-lo não é uma tarefa simples. É necessário investir tempo e dinheiro em tecnologia, inovação e liderança.

A embaixadora da Alana AI, Patrícia Meirelles, conversou com Luiza Helena Trajano, Presidente do Conselho de Administração do Magazine Luiza, e líder do Grupo Mulheres do Brasil, que conta com mais de 4.000 participantes que atuam em diversos segmentos da economia.

Entre os principais pontos discutidos estão a inovação durante uma crise e a necessidade do uso de tecnologia e humanização.

Confira os principais tópicos da conversa.

Como inovar durante uma crise?

Inovação quer dizer renovação, derivada do latim ‘innovatio’, e não necessariamente significa criar algo novo, uma vez que também é possível melhorar coisas já existentes.

Luiza explicou que, em sua opinião, é essencial que hajam dois caminhos paralelos sempre, um focado em ações do dia a dia e outro em busca “do novo”. O Magazine Luiza, por exemplo, mantém uma cultura de simplicidade mesmo para a inovação.

Mas a pergunta principal é: o que inovar e por onde começar?

Tipos de inovação

Uma empresa geralmente é composta por vários setores, departamentos, ou squads, dependendo do estilo; e a inovação pode ser realizada em diversos níveis, e de acordo com a necessidade e mercado em que o negócio está inserido.

As principais frentes de inovação são:

Recomendação de podcast: PloomesCast – Marketing, Sales e Produto: o encontro de disciplinas no mindset de crescimento.

5 mitos sobre a inovação

Identificamos alguns dos principais mitos sobre inovação e a realidade por trás deles.

  1. Inovação é sobre criar algo novo: Este foi o primeiro ponto abordado neste texto e esclarecemos que não é somente sobre “novidades”, uma vez que é possível, e indicado, inovar em produtos e serviços já existentes e ofertados pela empresa.
  2. Não é possível ensinar inovação: De certa maneira, as pessoas já nascem criativas e inovadoras, mas precisam de estímulos. Por essa razão, os gestores devem criar ambientes que incentivem o pensamento “fora da caixa” e o foco em soluções, e não problemas.
  3. A inovação deve partir dos donos ou diretores: Apesar de algumas mudanças precisarem de aprovação de líderes de alto escalão, a inovação deve acontecer em qualquer nível da empresa, começando por atividades simples e cotidianas.
  4. Nem toda empresa pode inovar: Essa afirmação está totalmente equivocada, já que a inovação pode acontecer em qualquer lugar e de diversas formas, como citado no parágrafo sobre os tipos de inovação. Outro ponto válido é que não é essencial ser uma empresa de tecnologia para poder inovar.
  5. É essencial ter uma equipe dedicada ao tema: Muitos acham que empresas com grandes laboratórios de inovação são as únicas capazes de encarar o desafio, mas não é verdade. É possível começar com pequenas ações, mensurá-las e melhorá-las conforme o tempo.

Transformação digital

A transformação digital pode ser caracterizada como a adesão de tecnologias digitais em áreas de um negócio, o que altera a operação e a entrega de valor para clientes.

Para pequenas lojas físicas, transformar as vendas em digital, por exemplo, é o caminho ideal para lidar com a atual crise. É essencial que os empresários primeiro entendam que ser digital não é somente o ato de ter uma plataforma para vendas, é uma cultura focada em tentativas e melhorias.

A empresa que decide digitalizar tem que estar consciente sobre os diversos aspectos das vendas online e se capacitar para garantir a gestão do negócio. A digitalização é um grande benefício para lidar com questões estratégicas, e, combinada com uma boa gestão e liderança, pode ser a salvação de uma organização.

Como começar a transformação digital em sua empresa

Cada empresa deve fazer uma análise interna para determinar a melhor maneira de iniciar essa transformação, mas é possível seguir algumas práticas já compartilhadas por grandes organizações.

A Cognizant, por exemplo, compartilhou o modelo de trabalho realizado para digitalizar a empresa. Eles seguiram basicamente 4 frentes de trabalho e criaram ações para cada uma delas:

  1. Operações;
  2. Produtos e Serviços;
  3. Experiência do Consumidor;
  4. Organização (funcionários);

Impacto da transformação digital

De acordo com especialistas no assunto, a transformação digital impacta, e redefine, algumas frentes essenciais para os negócios:

Recomendação de vídeo: Entrevista com João Appolinário, CEO da Polishop, sobre inovação e atendimento durante uma crise.

Caso de Sucesso

Durante a pandemia Covid-19, o Magazine Luiza lançou um programa de marketplace chamado Parceiro Magalu, para que pequenas lojas possam vender online.

Essa foi a maneira que a empresa encontrou de inovar, ao mesmo tempo que colabora com empreendedores afetados pela redução de vendas presenciais.

Independente do projeto de inovação, para garantir o sucesso é essencial que líderes tenham empatia e leveza para lidar com os desafios cotidianos da agitação de um e-commerce. Afinal, liderar um time de vendas e atendimento durante uma crise é desafiador.

Tecnologia e humanização

A principal preocupação e propósito do Magazine Luiza é garantir um ‘jeito humano de ser’, e isso é refletido tanto na relação empresa-funcionário, quanto no atendimento ao cliente.

A empresa conta com 4 laboratórios de tecnologia e mais de 1.000 pessoas dedicadas à evolução e manutenção de sistemas como a chatbot Lu, que é um excelente exemplo de humanização da tecnologia.

Outro caso muito interessante foi o desenvolvimento, durante a pandemia da Covid-19, de um algoritmo que informa dados sobre a quantidade de respiradores em hospitais das cidades onde a empresa tem lojas.

Caso o relatório mostre que o número de respiradores disponíveis é baixo, a recomendação é de que a loja não seja aberta.

Sobre a Lu, do Magalu

A Lu nasceu em 2003, na época chamada de Tia Luiza, e seu objetivo era tornar a experiência de compra no site do Magazine Luiza em algo humanizado e gerar mais confiança para conquistar os consumidores que ainda tinham receio do digital.

Ela evoluiu, ganhou mais empatia e mais responsabilidades, já que em 2009 a personagem assumiu as redes sociais e ganhou uma página dedicada para conteúdos. Essa interação com as pessoas passou a gerar valor para a marca e a Lu deixou de ser apenas um bot, e se tornou uma influenciadora virtual.

Sua principal função? Simplificar a tecnologia e facilitar a venda, por isso, a Lu se tornou o ponto focal de conteúdos ricos do Magazine Luiza.

Inovar pode ser mais simples do que você imagina!

A inovação não precisa aparecer somente nos momentos de crise, é possível manter um ambiente propício para criar novos produtos e soluções, e a tecnologia além de impulsionar, pode ajudar.

Assista também a websérie Customer Care = Humanos + Tecnologia, com Marcio Kuruiam, CEO da Netshoes e outros convidados, e confira como unir o atendimento humanizado com a máquina.

E se desejar saber como a inteligência artificial é uma aliada nessa jornada de transformação digital, baixe o e-book Cérebros Humanos & Artificiais.