close

Insider

[Vídeo] O que muda com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)?

Written by Alana Team
on Outubro 23, 2020

Você sabia que a Lei Geral de Proteção de Dados foi sancionada em Setembro deste ano e passará a valer a partir do último dia de 2020? E o que isso significa para a sua empresa e seus clientes?

O CEO da Alana AI, Marcel Jientara, conversou com a Jovem Pan sobre esta lei que era tão aguardada no setor, e sobre como ela afeta o dia a dia dos negócios e indivíduos, já que ela regulamenta o uso de dados pessoais. 

Para Marcel, a Lei nº 13.709/18 é um tremendo avanço, tão importante quanto o marco civil da internet, já que ela consolida uma série de direitos concedidos na constituição e no próprio marco civil.

Assista ao vídeo completo:

Marcel_JovemPan_final

LGPD: Da aprovação ao sancionamento

A discussão sobre uso de dados e informações pessoais existe há muito tempo, e a evolução da internet e de big data acelerou a necessidade de regulamentação dessa prática.

A Lei Geral de Proteção de Dados define e regulamenta o que pode e o que não pode ser feito com dados pessoais. Ela também permite que o indivíduo acione a empresa, questione quais dados ela possui e, se for de sua vontade, solicite a exclusão das informações.

Para as empresas, a Lei nº 13.709/18 cria a responsabilidade de coleta, ou seja, exige que os dados coletados sejam previamente autorizados.

FB@2x-min

Aviso oficial do Facebook convidando usuários brasileiros a gerenciar configurações de dados pessoais

 

No Brasil, a LGPD foi aprovada há 2 anos, período que foi usado pela maioria das empresas para se adaptarem às novas regras, e sancionada em 2020 para ter validade prática a partir de 2021, uma vez que o órgão regulador ainda não tem pessoas dedicadas e trabalhando ativamente.

Recomendação de websérie: Customer Care = Humanos + Tecnologia

Agência Reguladora: ANPD

O Decreto nº 10.474, de 26 de Agosto de 2020, aprovou a criação do órgão responsável pelo cumprimento e monitoramento da LGPD. 

A Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) será liderada por um Conselho composto pelo Diretor-Presidente, e por estruturas administrativas da chefia de gabinete, da Secretaria-Geral, da Assessoria Jurídica, da Ouvidoria e da Corregedoria, conforme especificado no decreto.

Apesar de a Lei nº 13.709/18 já estar em vigor, o órgão regulamentador ainda não existe efetivamente, por não ter pessoas exercendo os cargos.

Em tese, as punições já poderiam estar sendo aplicadas, como foi na União Europeia que, de acordo com Jientara, aplicou multas desde o primeiro dia em que a Lei de Proteção de Dados da União Europeia (GPDR) entrou em vigor.

No ponto de vista de Marcel, o ideal teria sido a criação antecipada do órgão ANPD, para que ele pudesse auxiliar pequenas e médias empresas no processo de adaptação às novas regras. O órgão poderia ser um ponto focal de orientação para as empresas e não apenas de punição.

O que muda em relação ao uso de dados?

O principal avanço com a Lei Geral de Proteção de Dados é o poder dado às pessoas para escolherem como seus dados serão usados e, até mesmo, optar por apagá-los da base de dados das empresas que desejar.

A adaptação à lei demanda um grande investimento em tecnologia, principalmente nas áreas de atendimento ao cliente e marketing, já que todos os dados terão que ser devidamente armazenados para fins específicos, sem possibilidade de compartilhamento entre áreas, caso o cliente não permita. 

Por exemplo, no caso hipotético citado por Marcel, em que um aplicativo solicita o e-mail da pessoa para realizar o cadastro, mas utiliza para enviar outros tipos de mensagens. Antes da LGPD não aconteceria nada com a empresa, mas após a sanção da Lei nº 13.709/18, o aplicativo poderia ser punido.


Recomendação de leitura: Regulamentação da inteligência artificial: entenda o debate mundial

Como redigir uma política de uso de dados

Antes de criar um termo de consentimento de uso de dados é importante consultar especialistas no tema e garantir que o processo de adequação à LGPD englobe todos os aspectos necessários.

Idealmente, uma boa política de uso de dados deve ser redigida por um advogado, ou um especialista em governança, e deve englobar as seguintes informações:

  • Quais tipos de dados são coletados;
  • Como são coletados;
  • Como serão usados e armazenados;
  • Serão usados para marketing? Como?
  • O que são cookies e como são usados?
  • Quais tipos de cookies sua empresa utiliza?
  • Como gerenciar os cookies;
  • Como entrar em contato com o órgão regulador;
  • Como entrar em contato com a empresa para solicitar a exclusão de dados;

Modelos

Confira dois modelos de textos para a solicitação de uso de dados. Salientamos que é importante, e necessário, consultar especialistas na área para se adequar completamente à Lei Geral de Proteção de Dados e criar autorizações que englobam todos os aspectos de seu negócio.

1. Para dados de navegação (cookies)


Este site usa cookies

Nós usamos cookies para [detalhar os motivos: personalização de conteúdo, análise de tráfego, campanhas publicitárias, etc]. Também compartilhamos informações sobre [detalhar os dados compartilhados] com [especificar se os dados são compartilhados com parceiros ou com as redes sociais da marca], que podem vir a combiná-los com outros detalhes que você possa ter fornecido em interação direta com eles.

Opções para o cliente: [fornecer a opção de o cliente escolher o que deseja fazer]

  • Usar somente cookies necessários;
  • Selecionar cookies permitidos;
  • Permitir todos os cookies;
2. Para dados pessoais

 

Termo de permissão para armazenamento e tratamento de dados pessoais

Este documento visa registrar a concordância do indivíduo com o tratamento de seus dados pessoais para finalidade específica, em conformidade com a Lei nº 13.709/18, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Informamos que coletamos seus dados [especificar quais dados pessoais] para [especificar os fins]. Os seus dados pessoais serão armazenados e preservados por tempo indeterminado [ou adicionar o tempo exato]. Os dados dos clientes serão armazenados [como são armazenados] e podem ser excluídos a qualquer momento, conforme solicitação do cliente.

O cliente tem direito a:

  • Saber a forma de tratamento dos seus dados e tempo de armazenamento;
  • Solicitar a atualização ou a alteração dos seus dados;
  • Pedir a exclusão dos dados pessoais da empresa do sistema;
  • Revogar o consentimento de tratamento de dados;

As solicitações e questionamentos sobre o tratamento e exclusão de dados deverão ser realizadas através do [informações para contato com a empresa].

Adequação dos setores à LGPD

Apesar de a ANPD ainda não estar exercendo seu papel efetivamente, várias empresas já estão buscando se adequar às novas regras, como é o caso de negócios do setor de seguros, que estão trabalhando em conjunto para que o setor seja o primeiro a se adequar completamente à Lei de Proteção Geral de Dados.

São mais de 50 mil empresas de corretagem e corretores de seguro afiliados à Fenacor (Federação Nacional dos Corretores de Seguros). O projeto ficou conhecido como LGPDcor e busca auxiliar os empresários nos seguintes aspectos:

  • Governança empresarial;
  • Acompanhamento jurídico;
  • Treinamento sobre o tema;
  • Guia prático de adequação à Lei Geral de Proteção de Dados;

quote-Marcel@2x-min

O que é o Marco Civil da Internet?

A Lei nº 12.965/14 está em vigor desde Junho de 2014 e, de acordo com o texto oficial, ela “estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil”. O objetivo principal do Marco Civil da Internet é prevenir e combater crimes cometidos online, os cibercrimes.

O texto da lei aborda os seguintes temas:

  • Privacidade;
  • Retenção e uso de dados;
  • Neutralidade da rede;
  • Liberdade de expressão;
  • Transmissão de conhecimento;
  • Obrigações de usuários e provedores de internet.;

Um fato interessante para o Brasil é que o país foi um dos primeiros a aderir ao princípio de neutralidade da rede, que determina qualidade de acesso para todos e proíbe que empresas fornecedoras de internet limitem o uso.

A partir da Lei Geral de Proteção de Dados (Lei nº 13.709/18), o Marco Civil da Internet sofreu algumas alterações para englobar a criação do órgão regulador (ANPD), e outros aspectos relacionados às multas e possibilidade de gestão de dados por parte dos indivíduos.

As duas leis são complementares e, apesar da necessidade de investimento em tecnologia e em tempo para adaptar processos, elas são benéficas tanto para as pessoas, quanto para as empresas, que podem trabalhar de maneira ainda mais transparente e desenvolverem novas estratégias para atender todas as regras da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Se você ainda estiver com dúvidas sobre o tema, sugerimos assistir o vídeo adicionado no início deste texto. É rápido e extremamente útil! 

 

 

personagens escrevendo

 



assinatura_teamalana

 

Você também pode gostar:

Insider

[Vídeo] Mulheres na liderança: bate-papo sobre inovação e tecnologia com Luiza Helena Trajano

Criar um negócio digital e expandi-lo não é uma tarefa simples. É necessário investir tempo e dinheiro em tecnologia, in...

Insider

Black Friday: o desafio do aumento de volume de vendas e atendimento

A Black Friday é a promoção mais esperada do ano. É a oportunidade que o consumidor tem de aproveitar ótimos descontos e...

Insider

A inteligência artificial e o futuro da comunicação entre humanos e máquinas

A interpretação da linguagem humana é essencial para a comunicação entre humanos e máquinas. Ela acontece através do mét...

Receba insights sobre
Inteligência Artificial por e-mail,
na medida certa.