×
O que a maternidade tem em comum com a liderança?:
Introdução
Inscreva-se
Por dentro da Alana

O que a maternidade tem em comum com a liderança?

O número de mulheres no mercado de tecnologia tem crescido, fruto de novas políticas e de esforços individuais. Essa mudança se reflete em pontos positivos…

Tempo de leitura: 4 min


O número de mulheres no mercado de tecnologia tem crescido, fruto de novas políticas e de esforços individuais. Essa mudança se reflete em pontos positivos para as próprias empresas,  que têm muito a crescer com a ampliação do seu quadro de colaboradoras e lideranças femininas. Um bom exemplo disso é o trabalho realizado pela nossa Tech Lead Viviane Maranhão, mãe de dois filhos e uma liderança excepcional. 

Nesse post, vamos conhecer um pouco da sua história, entender como ela se tornou um ponto chave para cadenciar melhor os nossos times de engenharia nos momentos em que uma nova forma de trabalho integrado foi necessária e como a experiência da maternidade tem a ver com isso!

Mulheres na tecnologia

O mercado de tecnologia teve um alto crescimento nos últimos dez anos, inclusive dentro do Brasil. O contexto de pandemia não impede esse fluxo de inovações, que afeta positivamente a qualidade dos produtos, dos serviços e de estratégias. Na verdade, o emprego da tecnologia se mostrou ainda mais necessário.

Nesse cenário, estamos em um momento em que dinâmicas trabalhistas e campos de atuação dentro da tecnologia são constantemente transformados para dar conta de um mundo que está sempre se atualizando. Da mesma forma, cada vez mais pessoas se interessam pelos cursos técnicos e de graduação da área, compondo uma força de trabalho mais diversificada e abrangente, fazendo com que os estereótipos comecem a se desmanchar e a figura de uma liderança unicamente masculina, bitolada e que vive em prol do trabalho seja deixada para trás.

Um dos principais movimentos dessa mudança tem sido realizado pelas mulheres, que se mostram cada vez mais interessadas nesse mercado, mesmo que muitas vezes ainda não sejam devidamente incentivadas e impulsionadas. Uma presença que tem trazido muitos novos diálogos para o ecossistema tech, além da criação de novas comunidades que debatem questões importantes, buscam o compartilhamento de experiências e o fortalecimento mútuo de competências individuais. 

A maternidade, como realidade de algumas mulheres, também entra em discussão, em projetos que buscam oferecer mais oportunidades para as mães e estimulam a liderança feminina, como: Mother Coders e The Mom Project.

Por parte das empresas, essa nova realidade tem fomentado o desenvolvimento de culturas mais inclusivas, bem como de políticas afirmativas e incentivos gerais. E trata-se de uma via de mão dupla, onde a experiência tem mostrado o quanto a inserção de mulheres e mães na linha de frente traz várias contribuições de valor ao ambiente empreendedor, visto que essas líderes trazem novas perspectivas, experiências e competências profissionais e pessoais.

Aqui, na Alana, somos felizes por termos um exemplo sólido disso, motivo pelo qual vamos compartilhar com você um pouco sobre a trajetória da nossa Tech Lead – que trouxe também algumas dicas. Acompanhe!

Coisas que a maternidade pode ensinar sobre liderança

Quando nos debruçamos sobre alguns depoimentos, é comum nos depararmos com frases parecidas com essa: “ser líder de empresas ou equipes é algo muito provocador, mas ser mãe pela primeira vez é um desafio ainda maior”. 

Pois é! A experiência da maternidade não é simples e muito menos fácil, e é exatamente por isso que uma líder pode agregar com habilidades de valor e um olhar para novas estratégias. Afinal, uma pessoa que faz parte integral da vida de seu filho ou filha, supre suas necessidades e ainda garante um ambiente apropriado para ele crescer com certeza traz grandes habilidades de coordenação, inovação, aproveitamento do tempo e capacidade para desempenhar diferentes funções.

Para Viviane, nossa Tech Lead, tanto na liderança como na maternidade, estamos em busca de ajudar pessoas a se desenvolverem, com atitudes que requerem sempre uma postura empática, e às vezes pulso mais firme. Em ambos os casos, a estratégia de reforçar comportamentos positivos e fazer críticas contundentes e construtivas é a chave, mesmo diante das decisões difíceis ou durante um momento caótico. 

“É sobre focar na construção em vez de focar na crítica vazia.” (Viviane Maranhão)

Ela contou, inclusive, que tem uma contribuição especial: desenvolver o super poder de cada pessoa, de modo que cada funcionário apresente seu melhor trabalho. Isso é possível quando cada pessoa é observada de forma cuidadosa e acreditada pelo seu potencial de impactar no produto final.

Ainda falando sobre habilidades de equilíbrio, como profissional, Viviane precisa coordenar diferentes equipes de engenharia, sendo que nem todas estão diretamente relacionadas com a Inteligência Artificial. Faz-se necessário, então, ter um pensamento abrangente e saber harmonizar prioridades diferentes, pois o conjunto dessas equipes engloba várias funcionalidades, como uso de tecnologias auxiliares, controle de qualidade de códigos, desenvolvimento de plataformas, correspondência entre plataforma e inteligência artificial, etc., e a princípio cada uma traz seu objetivo. Quase como em uma família! 

O desafio, para ela, é de cadenciar essas equipes e inteirar seus trabalhos, fazendo todos caminharem na mesma direção e garantindo a entrega dos resultados em prazos adequados.

Recomendação de leitura: O que a maternidade me ensinou sobre liderança?

Por um ambiente de trabalho mais afirmativo

Por fim, é importante sabermos que todos podem contribuir com essa realidade mais diversa e inclusiva, mas é preciso saber como.

Começando pelas empresas, que devem se atentar a ampliar o seu quadro de mulheres e mães em posições estratégicas e de liderança: é necessário desenvolver políticas e, claro, difundir essa cultura para que todos estejam alinhados no mesmo mindset. E também com atitudes individuais transformadas, buscando reconhecer e se abrir para novos aprendizados, de forma que a diversidade realmente aconteça. 

Principalmente dentro da área de tecnologia, em que muito falamos sobre disrupção, a quebra de paradigmas e a valorização de mulheres e mães dentro do time de colaboradores é sem dúvidas parte da construção de uma cultura cada vez mais inovadora, que propicia o espaço para que se formem não só lideranças de alta performance, mas também abastecidas pela energia de realização de sonhos e projetos pessoais.

Como já foi dito no nosso blog: desde a escolha do local de suas sedes, elementos de decoração, identidade visual e até as palavras usadas no dia a dia são importantes e fazem a cultura de uma empresa. E na nossa, as mães são muito bem-vindas!

Recomendação de leitura: Como as empresas de tecnologia podem ser melhores para as mães?